PROJETO

PROJETO PEQUI

VOLTAR

  

 

O Projeto Pequi é desenvolvido pelo Laboratório de Sistemas Socioecológicos da UFMG, juntamente com o Projeto Minhocuçu (http://sustentar.org.br/site/projeto/conservacao-e-uso-sustentavel-do-minhocucu-em-minas-gerais). Na região central de Minas Gerais, principalmente nos municípios de Paraopeba, Curvelo e Caetanópolis, ocorre a extração e comercialização de uma espécie de minhocuçu, o Rhinodrilus alatus. Esta atividade é praticada desde 1930, sendo para muitas famílias da região central de Minas Gerais sua principal fonte de renda. Durante o desenvolvimento do Projeto Minhocuçu, que teve início em 2004, foi constatada pelos próprios comunitários a necessidade de geração de formas alternativas de trabalho e renda para essas pessoas, principalmente durante a época chuvosa, período no qual os minhocuçus se reproduzem, ou seja, quando não devem ser capturados.


Na comunidade quilombola de Pontinha grande parte dos moradores vive do extrativismo do minhocuçu e, pensando em alternativas para esta atividade, foi feito um levantamento junto aos quilombolas sobre possíveis frutos do Cerrado presentes dentro do território da comunidade que pudessem ser utilizados como fonte alternativa de renda. Nesse estudo, o Pequi foi apontado como um fruto abundante na região e a sua época de frutificação coincidente com a de reprodução do minhocuçu, o que permite trabalhar com as duas espécies em momentos diferentes.


A partir disso, iniciamos o Projeto Pequi com o objetivo de avaliar a possibilidade de uso desse fruto como fonte de trabalho e renda para a comunidade de Pontinha e, desde 2012, as seguintes etapas estão sendo desenvolvidas (fotos e materiais disponíveis na seção Imprensa http://sustentar.org.br/site/imprensa):

 

  • Estudo ecológico para estimar a abundância de pequizeiros dentro do território quilombola da Pontinha;

  • Entrevistas com comunitários para levantamento dos usos do Pequi já praticados na comunidade e os conhecimentos tradicionais sobre esse fruto;

  • Caracterização de mercados próximos à comunidade para possível escoamento de mercadorias;

Produção de materiais para divulgação científica (cartilhas e vídeo);
  • Atividades educativas sobre a valorização do Cerrado em escolas públicas da região;

  • Levantamento prévio de interações dos frutos de Pequi com outras espécies, como formigas e cupins;

  • Experimentos sobre de germinação de mudas de Pequi sem uso de insumos químicos;Desenvolvimento de oficinas de capacitação em beneficiamento do Pequi e em formas de organização comunitária (associativismo e cooperativismo).

 


Financiadores e parceiros: 

- Universidade Federal de Minas Gerais
- Ministério da Educação
- FAPEMIG
- Instituto Sociedade, População e Natureza
- Floresta Nacional de Paraopeba (ICMBio)
- Núcleo do Pequi


ARQUIVOS PARA DOWNLOAD

- Cartilha Pequi
 
Cartilha - Óleo artesanal de pequi: Aprendendo a fazer essa preciosidade.

Artigo: Traditional knowledge and uses of the Caryocar brasiliense Cambess. (Pequi) by “quilombolas” of Minas Gerais, Brazil: subsidies for sustainable management

- Economia invisível, sociobiodiversidade e conservação do cerrado: o panorama do pequi mineiro




Contato

- E-mail: projetopequi2015@gmail.com
- Facebookfacebook.com/pequieminhocucu